Sondas temperatura

Bainhas e Isoladores cerâmicos - Componentes de sondas – F.Fonseca

As bainhas e os isoladores cerâmicos permitem proteger e isolar os termopares e os fios das sondas de temperatura.

As bainhas cerâmicas da F.Fonseca apresentam maior ou menor resistência dinâmica consoante a quantidade de alumina usada na sua composição.
As bainhas cerâmicas DIN 610 contêm 60% de alumina na sua composição e podem ser usadas em temperaturas até 1500ºC. As bainhas cerâmicas DIN 799 contêm na sua composição 99,7% de alumina e podem ser usadas em temperaturas até os 1800ºC. As bainhas DIN 799 oferecem maior resistência física ao choque em comparação com as DIN 610.
Nos isoladores temos a mesma distinção de tipologia consoante a sua composição. Os isoladores podem ter 1, 2 ou 4 furos e os seus diâmetros interiores e exteriores são vários consoante os termopares/fios a utilizar.
 
Ver Detalhe

Cabeças e Placas - Componentes de sondas – F.Fonseca

As cabeças e placas para sondas de temperatura permitem que se façam as ligações entre as sondas e a cablagem de ligação ao processo de modo seguro.

A F.Fonseca produz cabeças em alumínio, PVC e aço inox nos mais variados formatos de modo a responder às necessidades do mercado. Desde o tipo B, A, KNE, KNN e Mignon. Com IP67 e IP68, a gama de temperaturas pode ir até máximos de 180º, 480º ou 1000ºC dependendo da composição da mesma. Dispõe de cabeças certificadas para aplicações em ambientes explosivos.
A oferta das placas cerâmicas adequa-se à variedade de cabeças que a F.Fonseca comercializa. Desde placas para termopares simples e duplos, a placas para RTD’s simples de 2 e 3 fios ou duplas de 4 e 6 fios.
Ver Detalhe

Cabos compensados – F.Fonseca

Os cabos compensados permitem a correta ligação dos termopares e termoresistências aos equipamentos de leitura e controlo.
Os cabos compensados identificam-se pela composição dos materiais que os constituem. Os mais usados são do tipo K, J, S, R, B, T e N. Visualmente podem distinguir-se pela cor do revestimento exterior e a F.Fonseca utiliza a norma IEC na codificação das cores dos cabos que vende. Os cabos compensados podem ser de extensão ou compensação, de acordo com a necessidade específica. O revestimento exterior pode variar entre a trança metálica, o PVC, o silicone, ou o teflon.
A F.Fonseca, também fornece cabos para RTD’s, podendo estes ser de 2, 3, 4 ou 6 fios. Com a opção do revestimento variar entre trança metálica, silicone ou teflon.
 
Ver Detalhe

Digitemp-E Wireless – Heraeus Electro-Nite

O DigiTemp-E vem responder à crescente necessidade de integração de novas tecnologias eletrónicas quer em termos de hardware, quer em termos de interfaces. O DigiTemp-E Wireless da Heraeus Electro-Nite mede e analisa a temperatura em aço, ferro e metais não ferrosos derretidos. Os sensores são conectados ao equipamento através da lança QUBE Wireless operada manualmente ou ligados a lanças convencionais.
 
O DigiTemp-E Wireless faz a recepção de sinal da lança wireless QUBE T e tem entrada analógica para as lanças convencionais. O seu display não refletor de 45mm, com ligação wireless e indicação da força do sinal, dispõe de sinalização LED com informação da sequência de medição. Também possui alta precisão de medição por conversor A/D de alta resolução, curvas para os tipos de termopares S, R, B, K e D, deteção e interpretação de erros de medição e teste automático de reconhecimento de medição.
 
Ver Detalhe

Sondas de temperatura - Tipo K - Marshall

As sondas de termopares Marshall são indicadas para medição de temperatura em metais líquidos, até ao máximo de 1350ºC.
 
Os termopares K Marshall são sondas robustas e fiáveis, para medição em fundições de alumínio, bronze, latão e cobre (ligas). Construídas em aço revestido por uma fina camada de grafite, podem ser usadas diretamente no metal líquido sem pré-aquecimento.
 
Ver Detalhe

Sondas de temperatura com tecnologia wireless – F.Fonseca

A necessidade de medição de temperatura em locais remotos ou de difícil acesso, criou a necessidade de utilização de tecnologia wireless, de modo a que se ultrapassassem os obstáculos físicos. Ao incorporar nas sondas F.Fonseca o transmissor Jumo Wtrans B foram derrubadas as barreiras físicas, que impediam até agora a medição de temperatura em locais remotos, com movimento ou de difícil acesso.
 
Usando a frequência de transmissão de 868,4 MHz o transmissor Jumo Wtrans B permite que nas sondas de temperatura F.Fonseca a integração do transmissor e da antena na própria sonda seja possível. O transmissor programável é universal e aplicável em cabeças do tipo B, tendo temperatura de funcionamento entre -30º a 85ºC. A antena com conexão M20x1.5 incorpora uma bateria de lítio 3,6V 2,2Ah tipo AA e tem alcance máximo de 300m em campo aberto.

 
Ver Detalhe

Sondas de Temperatura RTD - F.Fonseca

As termoresistencias, também conhecidas por RTD (Resistance Temperature Detectors), são sensores de temperatura constituídos por metais de resistência elétrica com elevado coeficiente de temperatura.
Por norma as sondas de temperatura RTD são identificadas pelo material de que são constituídas e pela resistência que apresentam aos 0ºC. Os valores nominais mais utilizados são Pt100, Pt500 e Pt1000. Os vários valores nominais, característica de saída dependente da temperatura e tolerâncias estão especificados na DIN EN 60751.
 
Ver Detalhe

Sondas Termopar – F.Fonseca

Os termopares são sensores termoelétricos constituídos pela junção de dois materiais metálicos diferentes, cujo princípio de funcionamento se baseia no efeito de Seebeck. A junção dos dois materiais cria uma tensão proporcional à diferença de temperatura entre os terminais e a junção. Os tipos de termopares mais frequentes são K, S, R, B, J, T e N.

 
Ver Detalhe
  • 0
  • 1
Ao usar este website, está a aceitar a utilização de cookies para análise, conteúdo personalizado e apresentação de anúncios.